top of page
ADS-ASSOCIADO.png

COMIDAS TÍPICAS DE FESTA JUNINA TÊM 36% DE IMPOSTOS EMBUTIDOS NO PREÇO FINAL


Amendoim, paçoca, pipoca, pé de moleque, entre outras comidas típicas presentes nas festas juninas em todo o Brasil estão carregadas de impostos. Os itens de decoração como chapéu de palha e camisa xadrez também não escaparam dos tributos.

De acordo com o especialista em Direito Tributário, Samir Nemer, as comidas típicas da festa junina contam com 36% de impostos embutidos em seu preço final, por isso, é importante analisar não só os preços e promoções, mas também compreender a quantidade de tributos embutidos no valor final dos produtos, já que eles podem encarecer as compras.

Conforme levantamento do advogado, doces típicos de festa junina, como cocada, amendoim, pé de moleque e paçoca, carregam 36,54% de tributos. Milho, fubá, arroz, entre outros ingredientes essenciais, também sofrem a incidência de impostos. A canjica chega a ter 35,38% de tributação.

O mesmo acontece com o bolo de fubá, que pode ficar mais caro devido ao tributo dessa farinha, que alcança 25,28% do valor. Para quem gosta de arroz-doce, o preço também sai um pouco salgado, por conta da carga tributária do arroz, que representa 17,24% do seu preço final.

O levantamento ainda revela que a maior carga tributária não está nos doces, mas nas bebidas. A cachaça lidera o ranking, com 81,87% de impostos no seu preço final. No caso do quentão, que pode ser feito tanto por cachaça quanto por vinho, os impostos chegam a 61,56%.

“Se a opção for por vinho importado, o consumidor irá gastar um pouco mais, pois o produto tem 59,73% de tributos, já o nacional tem 44,73%”, explicou Nemer, que é sócio do escritório FurtadoNemer Advogados.

Segundo o especialista, entre os principais tributos que oneram o preço final dos produtos estão o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), Programa de Integração Social (PIS) e Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins).

“No caso do ICMS, a alíquota varia conforme estado, produto e serviço. Além disso, temos o IPI, PIS, Cofins e tributos municipais, como o ISS (Imposto sobre Serviço) cobrado das barracas que vendem comidas e bebidas típicas”, afirma Samir Nemer.


Roupas juninas


Outro ponto importante que não pode faltar são os itens de decoração, roupas e calçados. A bota, por exemplo, representa 36,17% de impostos, o chapéu de palha 33,95%, enquanto a camisa xadrez bate os 34,67%.

O consumidor também pode pagar caro nos fogos de artifício, pois os tributos representam 61,56% do valor em tributos. Para Nemer, antes de chegar ao consumidor, esses produtos já carregam um fardo fiscal considerável.

“É um efeito cascata. Cada etapa da cadeia produtiva, desde a matéria-prima até a venda no varejo, é onerada por diversos tributos. Isso os torna muito mais caros do que deveriam ser”, conclui.


(Fonte: Folha Vitória, matéria com dados do advogado tributarista Samir Nemer, com base no site Impostômetro/Foto: Pixabay)

Comments


bottom of page