Grupo empresarial deve pagar quase R$ 21 milhões por desvio de recursos da Cidade das Águas em Frutal    Carlinhos Maia apresenta show de humor 'Mas, Carlos!' pela primeira vez no AP    Michele Maycoth interpreta sucessos de Maria Gadú em noite romântica no AP    Exposição 'Minha Aldeia' reúne fotografias inspiradas no cotidiano amapaense    Peça teatral amapaense vai narrar acontecimentos 19 anos depois do último livro de Harry Potter    Levantamento do G1 mostra variação de preço nas opções de transporte em Divinópolis; confira    Show de humor em Macapá leva histórias de ribeirinhos da Amazônia para o teatro    Sem dinheiro, venezuelanos acampam às margens de rodovia na fronteira do Brasil: 'aqui pelo menos temos comida'    Barracas de apoio aos romeiros começam a funcionar nesta sexta na BR-365 em Patos de Minas    Quilo do Pirarucu é vendido em Rondônia por R$ 9,36 no valor médio    Confira as vagas de emprego do Sine em Macapá para o dia 24 de julho    Com surto na região Norte, campanha contra o sarampo no AP começa em agosto    Polícia Civil de Juiz de Fora recebe denúncia de mais uma empresa que teve contêineres desviados    Segunda edição do ‘Encontro de Bateristas do Triângulo’ é nesta terça-feira em Uberlândia    Comissariado do AP fiscaliza embarque de menores para o Festival do Camarão no PA    Ceará tem 66 municípios com emergência reconhecida pelo Governo Federal    Laudo aponta praias impróprias para banho durante as férias em São Luís    Bombeiros combatem vários focos de incêndio no Distrito Industrial em Uberlândia; veja vídeo    Municípios de Rondônia se preparam para extinguir lixões a céu aberto    Ingressos para Campanha de Popularização Teatro e Dança de Juiz de Fora começam a ser vendidos    MPCE apura se há irregularidade em festa com concurso de 'saia mais curta'    Um ano após anúncio, videomonitoramento no Parque do Sabiá em Uberlândia segue sem conclusão    Mulher presa com droga na vagina em Macapá é solta após audiência de custódia    Corpo é encontrado em Araújos, MG    Guinness Book registra maior orquestra de viola do mundo durante evento em Uberlândia    Umidade relativa do ar pode chegar a 20% em cidades do Triângulo Mineiro e Alto Paranaíba    'Filme de terror', diz policial que resgatou animais abandonados em casa no Ceará    Céu nublado marca início da semana em cidades da Zona da Mata e Campo das Vertentes    Previsão é de névoa seca e céu nublado durante a semana no Centro-Oeste de MG    Rompimento de barreira no Rio Araguari causa problemas ambientais em Uberlândia    Prefeitos da região Centro-Oeste de MG se reúnem em Divinópolis para debater atraso no pagamento do Fundeb    Padre é atropelado por motorista embriagado perto de igreja em Juiz de Fora    Procon suspende atendimentos nesta terça e quarta para mudança de endereço em Araxá    Homem persegue esposa com facão após vítima voltar de festa familiar em RO    Quase dois anos após matar grávida e roubar bebê em Ituiutaba, quatro acusados aguardam julgamento    Homem é preso pela Polícia Civil por suspeita de envolvimento com roubos em Muriaé e região    10 mil pessoas foram indenizadas por invalidez após acidente de trânsito em 2018 no Ceará    Quatro pessoas são presas por tráfico de drogas em Porto Velho    Criminosos arrombam agência bancária em Uberaba e furtam dinheiro    Sine de Ji-Paraná oferta 16 vagas de emprego nesta segunda-feira, 23

EMPRESAS PODEM USAR BANCO DE HORAS PARA ALIVIAR O CAIXA DO PESO FINANCEIRO DAS HORAS EXTRAS

Quando a empresa precisa estender o horário de atendimento ou aumentar a produção, a saída, na maioria dos casos, é solicitar aos funcionários que alonguem a jornada de trabalho, mediante o pagamento de horas extras. Embora seja um recurso proveitoso, a hora extra, se não for bem administrada, pode sobrecarregar as finanças do estabelecimento, uma vez que a legislação determina que seu custo é, no mínimo, 50% superior ao valor da hora comum.

Em função disso, não é uma situação rara pequenas e médias empresas, por terem uma situação financeira mais apertada, evitarem estender a jornada de seus empregados. Contudo, é possível preservar o caixa do peso da hora extra se valendo de acordo de compensação de jornada ou de banco de horas. Esses sistemas, em resumo, permitem que as horas extras, em vez de serem pagas no salário, sejam trocadas por redução de expediente ou concessão de folgas em outras datas.

De acordo com as atualizações promovidas pela Reforma Trabalhista, em vigor desde novembro de 2017, o regime de compensação de jornada pode ser aplicado por meio de acordo individual entre empregador e empregado. Nesse caso, as horas extras precisam ser compensadas no mesmo mês no qual foram efetuadas.

O banco de horas funciona de maneira similar, com a diferença de que, por acordo direto entre empregador e empregado, o prazo para compensação das horas extras é de seis meses. A legislação ainda prevê que a Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) da categoria verse sobre o assunto. Nesse caso, há a possibilidade de o período de compensação do banco de horas chegar a um ano.

Sabendo desses recursos, a confecção Revista-se recorre ao banco de horas quando precisa estender o expediente dos funcionários. Localizada no bairro do Bom Retiro, na capital paulista, a empresa conta com 40 empregados e é especializada em moda feminina. Seus principais clientes são redes de magazine.

“Na maioria das vezes, os funcionários fazem hora extra quando há a necessidade de consertar um erro de produção. Como trabalhamos sob demanda, o setor de produção é o mais exigido para estender o horário”, revela a dona da empresa, Tatiana Moura.

Tatiana conta que a confecção se organiza para evitar as horas extras, mas, como há contratos com prazos de entrega, às vezes precisa solicitar que os funcionários alonguem o expediente. “Em geral, os funcionários colaboram quando pedimos para fazer hora extra. Temos uma conversa franca. Avisamos sobre o problema na produção e a necessidade de manter a empresa de pé”, expõe.

Segundo a empresária, o banco de horas também tem o apoio dos funcionários porque evita que a fábrica tenha expediente aos sábados, concentrando toda a produção durante os dias de semana.

De acordo com a assessoria técnica da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), o banco de horas e o acordo de compensação de jornada são alternativas atrativas para empregadores e empregados, posto que, por um lado, poupa o caixa da empresa do peso financeiro das horas extras e, por outro, concede ao trabalhador horas ou folgas na semana para descansar do trabalho ocasionado pela jornada suplementar.

Para saber como funcionam as horas extras e como implementar os regimes de compensação no estabelecimento, o empresário pode conferir um e-book especial sobre esses assuntos desenvolvido pela Entidade. O material ainda traz explicações sobre as horas extras em diferentes tipos de jornada, a importância do controle de ponto e dicas para se precaver de multas relacionadas ao expediente de trabalho. Acesse o e-book clicando aqui.

(Fonte: Fecomércio/SP)

0
0
0
s2smodern

NOTÍCIAS