Grupo empresarial deve pagar quase R$ 21 milhões por desvio de recursos da Cidade das Águas em Frutal    Carlinhos Maia apresenta show de humor 'Mas, Carlos!' pela primeira vez no AP    Michele Maycoth interpreta sucessos de Maria Gadú em noite romântica no AP    Exposição 'Minha Aldeia' reúne fotografias inspiradas no cotidiano amapaense    Peça teatral amapaense vai narrar acontecimentos 19 anos depois do último livro de Harry Potter    Levantamento do G1 mostra variação de preço nas opções de transporte em Divinópolis; confira    Show de humor em Macapá leva histórias de ribeirinhos da Amazônia para o teatro    Sem dinheiro, venezuelanos acampam às margens de rodovia na fronteira do Brasil: 'aqui pelo menos temos comida'    Barracas de apoio aos romeiros começam a funcionar nesta sexta na BR-365 em Patos de Minas    Quilo do Pirarucu é vendido em Rondônia por R$ 9,36 no valor médio    Confira as vagas de emprego do Sine em Macapá para o dia 24 de julho    Com surto na região Norte, campanha contra o sarampo no AP começa em agosto    Polícia Civil de Juiz de Fora recebe denúncia de mais uma empresa que teve contêineres desviados    Segunda edição do ‘Encontro de Bateristas do Triângulo’ é nesta terça-feira em Uberlândia    Comissariado do AP fiscaliza embarque de menores para o Festival do Camarão no PA    Ceará tem 66 municípios com emergência reconhecida pelo Governo Federal    Laudo aponta praias impróprias para banho durante as férias em São Luís    Bombeiros combatem vários focos de incêndio no Distrito Industrial em Uberlândia; veja vídeo    Municípios de Rondônia se preparam para extinguir lixões a céu aberto    Ingressos para Campanha de Popularização Teatro e Dança de Juiz de Fora começam a ser vendidos    MPCE apura se há irregularidade em festa com concurso de 'saia mais curta'    Um ano após anúncio, videomonitoramento no Parque do Sabiá em Uberlândia segue sem conclusão    Mulher presa com droga na vagina em Macapá é solta após audiência de custódia    Corpo é encontrado em Araújos, MG    Guinness Book registra maior orquestra de viola do mundo durante evento em Uberlândia    Umidade relativa do ar pode chegar a 20% em cidades do Triângulo Mineiro e Alto Paranaíba    'Filme de terror', diz policial que resgatou animais abandonados em casa no Ceará    Céu nublado marca início da semana em cidades da Zona da Mata e Campo das Vertentes    Previsão é de névoa seca e céu nublado durante a semana no Centro-Oeste de MG    Rompimento de barreira no Rio Araguari causa problemas ambientais em Uberlândia    Prefeitos da região Centro-Oeste de MG se reúnem em Divinópolis para debater atraso no pagamento do Fundeb    Padre é atropelado por motorista embriagado perto de igreja em Juiz de Fora    Procon suspende atendimentos nesta terça e quarta para mudança de endereço em Araxá    Homem persegue esposa com facão após vítima voltar de festa familiar em RO    Quase dois anos após matar grávida e roubar bebê em Ituiutaba, quatro acusados aguardam julgamento    Homem é preso pela Polícia Civil por suspeita de envolvimento com roubos em Muriaé e região    10 mil pessoas foram indenizadas por invalidez após acidente de trânsito em 2018 no Ceará    Quatro pessoas são presas por tráfico de drogas em Porto Velho    Criminosos arrombam agência bancária em Uberaba e furtam dinheiro    Sine de Ji-Paraná oferta 16 vagas de emprego nesta segunda-feira, 23

PRESIDENTE ASSINA MP QUE DISPENSA ALVARÁ PARA EMPREENDIMENTOS DE BAIXO RISCO

O presidente Jair Bolsonaro assinou uma Medida Provisória (MP) da Liberdade Econômica, que estabelece normas gerais para garantir a livre iniciativa de negócios no país, de forma desburocratizada. A MP permite que empreendimentos considerados de baixo risco sejam desenvolvidos sem depender de qualquer ato de liberação pela administração pública. Na prática, atividades econômicas que não oferecem risco sanitário, ambiental e de segurança não vão precisar mais de licenças, autorizações, registros ou alvarás de funcionamento.

"Nós buscamos isso, num linguajar meu, usado há muito tempo, que é tirar o estado do cangote. É traduzido agora num trabalho maravilhoso dessa equipe econômica e também da Casa Civil, que vai, no meu entender, ajudar muita gente no Brasil, em especial aquele empreendedor", disse o presidente no discurso de assinatura da medida. A MP da Liberdade Econômica terá validade de até seis meses e precisará ser aprovada pelo Congresso Nacional para se converter em lei.

A definição da atividade que se enquadre como de baixo risco caberá aos municípios. Na ausência de definição, será válida a listagem federal a ser editada pelo presidente da República ou pelo Comitê Gestor da Rede Nacional para a Simplificação do Registro e da Legalização de Empresas e Negócios (Redesim). Segundo o secretário especial de Desburocratização, Gestão e Governo Digital do Ministério da Economia, Paulo Uebel, a regulamentação deve ocorrer em até 60 dias.

"O governo recuará para que os cidadãos possam avançar. O ato que nós firmamos hoje é símbolo deste novo Brasil, este Brasil que começou a deixar para trás tudo aquilo que atrapalha a vida das pessoas e que impede a prosperidade do nosso país", afirmou o ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni. Segundo ele, a MP cumpre um compromisso de campanha do presidente, que era desburocratizar os negócios no país.

De acordo com a medida, as atividades econômicas de baixo risco poderão ser desenvolvidas em qualquer horário ou dia da semana, desde que não causem danos ao meio ambiente, respeitem normas de direito de vizinhança, não gerem poluição sonora, nem perturbem o sossego da população, e observem a legislação trabalhista.

"A questão principal é se a atividade gera risco, e não o tamanho da empresa. Você pode ter empresa pequena, de alto risco, e que precisa passar por um processo de licenciamento e alvará. Se não oferece risco para a sociedade, o Estado não precisa intervir, este é o conceito que está por trás da MP. Vou dar um exemplo: atividade de corte e costura, de sapateiro, loja de roupas, não oferece risco à sociedade. Vamos deixar de exigir que essas atividades tenham alvará, autorização, licenciamento, para que o Estado possa focar sua energia nas atividades de médio e alto risco, que realmente oferecem risco para a sociedade", explicou Paulo Uebel.

"A gente está tirando o ato de liberação, mas a fiscalização continua completamente de pé", afirmou o diretor federal de Desburocratização, Geanluca Lorenzon. A norma também reafirma a liberdade de preços no mercado, desde que não seja uma atividade regulada ou com participação do estado. Outra medida definida pela MP é a liberação tácita de atividades caso a administração pública não responda o empreendedor nos prazos fixados. "Quando esse prazo, fixado pelo próprio governo, não for respeitado, cria-se a figura da aprovação tácita, que já existe em muitos países desenvolvidos, é uma prática comum. O governo tem autonomia para fixar o prazo, mas, uma vez fixado o prazo, ele é obrigado a cumprir, se não existe uma aprovação tácita. Evidentemente, isso não vai se aplicar para atividade de alto risco que possam causar danos à sociedade", explicou Uebel.

(Fonte: Fenacon)

0
0
0
s2smodern

NOTÍCIAS